Identificação de Perigos e Riscos na OHSAS 18001

Semana passada, discutimos como a implementação do OHSAS 18001 pode contribuir no combate às doenças ocupacionais. No post de hoje a proposta é complementar o texto anterior. Dialogar sobre uma das fases mais importantes da OHSAS 18001, na qual é: o levantamento de perigos e riscos.

Mas antes precisamos entender a definição de perigos e riscos e como um auxilia na compreensão do outro.

O que é perigo e risco?

Simplificando os conceitos, o perigo definiremos como “fonte geradora” e o risco como “efeitos da fonte geradora”.

Para exemplificar as definições, imagine um exercício, no qual tenhamos que definir os perigos e riscos de uma atividade presente na rotina diária de uma equipe de trabalho. Para isto, acompanhe o seguinte exercício:

Atividade: Rotinas administrativas.

Perigo: Atividades repetitivas, digitação de texto.

Riscos: Lombalgia, problemas na coluna

No exercício, apesar de genérico, é possível verificar um tipo de atividade que possui os seus perigos (fonte geradora) e riscos (efeitos da fonte geradora) específicos.

A OHSAS 18001 propõe que para se fazer o levantamento dos perigos e riscos, deve-se identificar quais são os tipos de atividades existentes em seu empreendimento. Para isto, a norma classifica as atividades em dois tipos:

  • Atividades rotineiras – são as atividades do dia a dia, ou seja, as rotinas diárias que cada tipo de negócio apresenta.
  • Atividades não rotineiras – caracterizam-se como as atividades que não são realizadas todos os dias.

Em nossa classificação, também utilizamos o conceito de Atividades emergenciais, que são aquelas causadas por alguma eventualidade, como uma falta de energia, derramamento de algum produto químico e entre outros.

*No final do texto disponibilizamos um procedimento real, elaborado pela Templum Consultoria Ilimitada, para ajudá-lo na identificação de perigos e riscos na sua organização.

Identificar e avaliar.

Basicamente, o levantamento de perigos e riscos tem por base duas ações específicas: identificar os perigos e avaliar os riscos.

No processo de identificação dos perigos é necessário registrar quais são as atividades, sejam elas normais, não rotineiras ou emergenciais, sendo executadas ou não nos limites físicos da organização.

Existem pontos de atenção no apontamento dos perigos. Os locais das fontes de energia são ótimos exemplos de lugares que merecem um cuidado diferenciado. Entretanto, cada tipo de empresa possui sua particularidade.

As avaliações dos riscos é consequência do processo de identificação dos perigos. Nós, da Templum Consultoria Ilimitada, recomendamos avaliar os riscos, conforme sua severidade e probabilidade de ocorrência.

O critério da severidade, diz respeito a gravidade de determinado risco, podendo ser classificado em baixa, média e alta severidade. Esta avaliação é importante, pois existem acidentes de trabalho que podem causar um simples mal estar, e outros podem levar até a doenças ocupacionais permanentes.

Já o critério da probabilidade está relacionado a frequência que determinado risco ocorre na organização. Imagine que um acidente envolvendo um colaborador e uma empilhadeira nas dependências da empresa ocorra todo ano, logo a probabilidade deste acontecimento pode ser classificado como de alta probabilidade.

Os perigos e riscos não podem afetar os seus resultados.

Doenças ocupacionais interferem diretamente nos resultados da empresa.

Acidentes de trabalho podem prejudicar a equipe de colaboradores, trazendo uma sensação de insegurança no ambiente de trabalho e, consequentemente, lesar a produtividade de todos.

Os gastos e despesas despendidos em decorrência de um mal ocupacional não são poucos. Existem custos diretos e indiretos que afetam o bolso do empresário. http://certificacaoiso.com.br/custos-de-um-acidente-de-trabalho/.

Não basta identificar. Tenha uma ação!

A etapa de identificação deve gerar uma ação.

Cada perigo e risco exigem modos diferentes de agir. Às vezes, algum plano de eliminação de determinado risco é financeiramente inviável para a organização, devido ao alto investimento em novos equipamentos e máquinas. Logo, se a eliminação é dispendiosa, ache formas de reduzir o contato de sua equipe com este infortúnio.

Basicamente, existem cinco formas de controle estabelecidos na OHSAS 18001 para agir diante dos perigos e riscos:

  • Eliminação;
  • Substituição;
  • Controle de Engenharia;
  • Sinalização;
  • Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Todos estes apresentados, detalhadamente, no procedimento compartilhado para levantamento-de-perigos-e-riscos-a-seguranca-e-saude-ocupacional.

Quer saber mais? Nós, da Templum Consultoria Ilimitada, estamos à disposição para esclarecer todas as suas dúvidas.

Guilherme Alonço

Guilherme Alonço

Conteudista da Templum Consultoria Ilimitada e apaixonado por assuntos e notícias que englobam o mundo dos negócios. Formado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário Unitoledo e Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Guilherme Alonço
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *