Programas 5S e 8S: diferenças e aplicações

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Um dos métodos japoneses de gestão mais conhecidos é o programa 5S. Ele se refere a sensos que devem ser incorporados por todas as organizações que prezem por um bom desempenho. Cada “S” corresponde a uma palavra em japonês. Conheça cada um e suas traduções:

Seiri: Senso de utilização.

É a prática de verificar todas as ferramentas e materiais necessários para o trabalho e manter somente o que for utilizar na área de trabalho. Tudo o mais é guardado ou descartado. Este processo conduz a uma diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho.

Seiton: Senso de ordenação, ou seja, ter um espaço organizado.

A organização, neste sentido, refere-se à disposição das ferramentas e equipamentos em uma ordem que permita o fluxo do trabalho. Ferramentas e equipamentos deverão ser deixados nos lugares onde serão posteriormente usados. (Há estudos que indicam que a desorganização gera estresse, que, quando acumulado a outros fatores, pode desencadear doenças como as cardíacas e as psicológicas.)

Seiso: Senso de limpeza.

Designa a necessidade de manter o mais limpo possível o espaço de trabalho. No Japão, ao fim de cada dia de trabalho, o ambiente é limpo e tudo é recolocado em seus lugares.  O foco deste procedimento é lembrar que a limpeza deve ser parte do trabalho diário e não uma mera atividade ocasional quando os objetos estão muito desordenados.

Seiketsu: Senso de Normalização.

Criar normas e sistemáticas em que todos devem cumprir. Tudo deve ser devidamente documentado. Esse senso é muito parecido com o que prega a ISO 9001.

Shitsuke: Senso de autodisciplina.

Refere-se à manutenção e revisão dos padrões. Uma vez que os 4 Ss anteriores tenham sido estabelecidos, transformam-se numa nova maneira de trabalhar, não permitindo um regresso às antigas práticas. Por outro lado, novas formas de se trabalhar são bem-vindas. É a melhoria contínua.

O programa 8S

Com o passar dos anos, os gestores perceberam que somente esses cinco não eram suficientes. E como estão abertos a melhorias, criaram mais três “S”:

Shikayaro: Senso de determinação e união.

Refere-se ao trabalho em equipe, item essencial no sucesso das organizações. Se não houver foco, ajuda mútua e um objetivo claro, não haverá sucesso também.

Shido: Senso de capacitação, educação e treinamento.

Neste item entram conceitos como os apresentados no último post (Competência: matéria-prima essencial para a gestão). Sem conhecimento, nenhum colaborador consegue desempenhar um bom papel, o que pode arruinar projetos.

Sitsuyaki: Senso de economia e combate aos desperdícios.

Nenhuma organização pode se dar ao luxo de desperdiçar insumos, por mais insignificantes que pareçam. Se forem somados todos os pequenos descartes desnecessários ao longo de um ano, com certeza se chegaria a uma soma equivalente a um salário de um funcionário, ou um equipamento. Economizar é tarefa essencial.

Com a criação destes últimos sensos, chegou-se à conclusão de que a ordem deveria ser invertida, ou seja, os sensos de economia, capacitação e união são mais importantes e devem ser sucedidos pelos outros cinco, formando uma situação ideal, a de 8s.

  1. ROSINALDO
    ROSINALDO says:

    O mais importante e saber que depois do 5s que é um programa onde as empresa e funcionarios so tem a ganhar com a sua utilização. e poder contar com mais essa ferramentas que e o acressimo de mais 3s sendo o 8s estaremos cada ves mais eliminando o desperdicio,e valorizando cada ves o ser humano(pessoa)que e o pilar de uma instituição e da sociedade.8s pratique essa ideia!

  2. Ivo Corradi de Abreu
    Ivo Corradi de Abreu says:

    Caros colegas, sempre trabalhei em contato com grandes organizações e participei ou acompanhei a implantação de programas como o 5S. Realmente o 5S é mais voltado às áreas operacionais. Entretanto nos últimos anos tem sido extendido às demais áreas, com algumas adaptações, muito necessárias alias, porquanto não faz muito sentido certas práticas de ordem para mesas de escritório, como por ex ter um único lugar nas gavetas para guardar o grampeador. Na produção as ferramentas tem um lugar determinado porque são utilizadas milhares de vezes, enquanto que um grampeador utiliza-se pouco; hoje cada vez menos!
    Quanto a moderna invenção dos 8S parece mais coisa de consultor. O conceito contido nos 5S já inclui quase a totalidade do que se propõe, senão vejamos: combate ao desperdício, treinamento, determinação são praticamente a filosofia do programa 5S.

    • rivaldo
      rivaldo says:

      Wanderley
      Que bom que tenha gostado, dentro do nosso blog existem outros tipos de inofrmações não só referente ao sistema de gestão, mas para auxiliar mesmo uma pessoa ou organização em ferramentas gerencias, para as atividades do dia a dia.
      Fique a vontade para navegar em nosso blog, e tendo duvidas estamos a disposição para ajuda-lo.

      Rivaldo Silva
      Auditor Consultoria Online Templum

  3. isaias
    isaias says:

    Primeiramente temos que saber qual o publico alvo do projeto 5S ,o 5S foi criado com o foco principal  o nível operacional , por isso 5 e não 6 ou 10 ou 20S ,a implantação de mais 3S é inviável pois essas atividades entram em conflito com as atribuições  para quem é atribuída o 5s no caso em especial a nível  operacional , principalmente o senso de capacitação, que é atribuição dos gestores, nível qual o funcionário não poderá influenciar criando um clima de frustração , motivar e capacitar funcionários são atribuições gerenciais e não operacionais , quanto o desperdício ,e necessário controlar através de indicadores e especificações de procedimentos  , e no caso do operador fará uso do senso de organização seguindo o procedimento  e não conceitos variáveis.por exemplo vou gastar menos pra economizar , entretanto gastar menos poderá ocasionar prejuízos por não manter as condições qualidade especificadas no processo ,como freqüência de lubrificação , pressão de ar ,custo com fornecedores , uso de matéria prima de baixa qualidade entre outros , não podem ser decisões a nível operacional , então não podemos agregar aos 5s , mas criar um conjunto de ferramentas especificas para gestores onde os indicadores como treinamento , motivação e economia serão tratadas de forma mais cuidadosa.Temos que ter cuidado para não cairmos na síndrome do cheque list ,e só criarmos formulários e burocracia sem utilidade pratica atentando para aquilo que e exeqüível.

    • Daniela
      Daniela says:

      Prezado Isaias,

      Muito Obrigada pela sua contribuição no blog.

      Entendo a sua preocupação ao dizer que o 8S, assim como outras teorias criadas, podem ser modelos que não são práticos na sua aplicação e que ao invés de trazer melhorias, podem desgastar processos que já estão implementados e funcionando com êxito. Realmente o 5S é uma ferramenta de gestão voltada para a qualidade total, que predominantemente é aplicada às áreas operacionais da empresa, apesar do seu conceito poder ser aplicável em qualquer nível da organização e quando pensamos em acrescentar mais 3S nessa filosofia, realmente pode parecer um exagero das teorias modernas.

      Porém, os 3S adicionais possuem o objetivo de fornecer uma metodologia justamente para os gestores da empresa e não para a área operacional, uma vez que o investimento não é realizado em máquinas e sistemas, mas sim em comportamento humano e por isso essa ferramenta pode vir a se tornar uma grande arma na busca pela excelência na qualidade total, pois a partir dessa prática, realmente conseguimos uma atividade que seja top down e assim torna o comprometimento da direção aparente para toda a empresa, uma vez que esses 3S adicionais são acrescentados antes dos 5S tradicionais, ou seja, se eles não forem aplicados corretamente, não será possível implementar mais nenhum tipo de melhoria.

      O cuidado realmente deve existir mas não somente com essa teoria, mas com qualquer projeto que a empresa queira implementar, pois mesmo idéias que não sejam tão complexas, podem se tornar ineficientes se não forem cuidadosamente planejadas, então o ponto crucial para o sucesso de qualquer metodologia é a forma como isso é planejado e executado.

      Atenciosamente, Daniela Albuquerque