Daniela Albuquerque
Por Daniela Albuquerque

Custos dos acidentes de trabalho

Se existe algo que uma empresa deve combater são os custos dos acidentes de trabalho. No texto de hoje, iremos discorrer sobre os tipos de custos decorrentes destes percalços e explicar as principais diferenças conceituais.


Todo acidente de trabalho geram custos a mais, que podem impactar tanto o fluxo de caixa de uma empresa, como sua reputação perante a sociedade. Esses custos são divididos entre custos diretos e custos indiretos.

Custos diretos

  • Todas as despesas ligadas diretamente ao atendimento do acidentado, que não de responsabilidade do INSS, despesas médicas, odontológicas, hospitalares, farmacêuticas – incluída cirurgia reparadora.
  •  Após a alta, caso tenha ficado com alguma redução laborativa, receberá um auxílio acidente.
  • Despesas de reabilitação médica e ocupacional.
  • Transporte do acidentado durante o tratamento quando o estado crítico exigir
  • Seguro de acidente

Webinar - Como criar a cultura da Segurança do Trabalho utilizando a ISO 45001

Com dúvidas sobre como iniciar um sistema de saúde e segurança do trabalho, assista este Webinar. Basta preencher corretamente o formulário abaixo!


Webinar

Custos indiretos

  • Salários pagos durante o tempo perdido por outros trabalhadores que não o acidentado.

Após o acidente há sempre um período onde os companheiros param para socorrê-lo, comentar o ocorrido ou prescindem da ajuda do acidentado.

Há também a hipótese da máquina que operavam ficar danificada no acidente.

  •  Acidentes sem perda de tempo, quando o acidente recebe o tratamento na própria empresa.

Tempo de ida e volta ao ambulatório médico, tempo de espera para atendimento, tempo gasto em curativos.

  • Salários adicionais pagos por trabalhos em horas extras

Em virtude do acidente, atrasos na produção ou serviços urgentes de reparo ou por substituição de equipamento envolvido no acidente, podem interagir trabalhos em horários extraordinários.

  • Salários pagos a supervisores durante o tempo dispendido em atividades decorrentes do acidente.

O supervisor enquanto está tomando providências para normalizar o trabalho após o acidente, deixa de empregar o seu tempo produtivamente em planejamento, treinamento de trabalhadores sob sua supervisão, etc.

  • Salários pagos a funcionários durante o tempo gasto na investigação do acidente.

Preenchimento de formulários e processamento de documentos.

Dica de leitura: Ações que ajudam a evitar acidentes no local de trabalho

Os custos indiretos não param por aí…

  • Diminuição da eficiência do acidentado ao retornar ao trabalho.

Normalmente, o funcionário ao retornar, produz menos (por receio de sofrer novo acidente, por desambientação, por falta de condicionamento físico, etc). A empresa está pagando o mesmo salário para o trabalhador produzir menos que na prática representa um custo adicional de salário.

  • Despesas com o treinamento do substituto do acidentado.

Geralmente no período de treinamento o substituto produz menos que o normal. Além disso, existe os salários pagos aos supervisores ou outras pessoas no treinamento do substituto.

  • Custo do material ou equipamento danificado no acidente

Custo de reposição ou substituição deve ser computado neste item.

  • Despesas médicas não cobertas pela entidade seguradora.

Nos ambulatórios da empresa, despesas com o pessoal médico, enfermeiras, medicamentos e instrumental, etc.

  • Outros (aluguel de equipamento, multas contratuais, custo de admissão de novos empregados, dificuldades com as autoridades e má fama para a empresa).

Além dos gastos com possíveis processos judiciais e indenizações  e possibilidade de denegrir a imagem da empresa.

Percebemos então que os custos indiretos além de corresponderem pela maior parcela do custo em alguns casos esse custo  pode ser imensurável.

O que vale mais a pena?

Arcar com esses custos ou investir na PREVENÇÃO?

Daniela Albuquerque

Daniela Albuquerque

Sócia e Especialista Chave em Templum Consultoria
Por ser apaixonada por qualidade e melhoria contínua de negócios e pessoas sou a Sócia Responsável pelo Sucesso do Cliente na Templum por meio de mentoria e treinamento interno das equipes de consultores e atendimento ao cliente e da elaboração de produtos, treinamentos e conteúdos que permitem o fortalecimento das empresas.
Formada em Comunicação Social, MBA em Gestão de Negócios e especialista em Sistemas de Gestão Integrada.
Daniela Albuquerque