Guilherme Kiellander
Por Guilherme Kiellander

Recomendações para quem quer investir em micro franquias

Igor Furniel, diretor-executivo da Templum, dá dicas para quem pensa em investir em franquias ou no licenciamento de uma marca Uma das mais importantes recomendações para quem quer investir em uma franquia ou licenciamento é ter afinidade com o segmento e ter noção clara de como será a rotina da empresa. Outro ponto importante, diz […]


Igor Furniel, diretor-executivo da Templum, dá dicas para quem pensa em investir em franquias ou no licenciamento de uma marca

Uma das mais importantes recomendações para quem quer investir em uma franquia ou licenciamento é ter afinidade com o segmento e ter noção clara de como será a rotina da empresa.

Outro ponto importante, diz Igor Furniel, diretor-executivo da Templum, é entender como o sistema funciona e conhecer os direitos e deveres do franqueado. “Além de estar ciente do que está assinando, o licenciado ou franqueado tem de estar preparado para assumir o papel de gestor do negócio”, detalha.

É importante destacar que a liberdade do franqueado não é a mesma de quem tem um negócio construído do zero. Existem regras e cláusulas estipuladas em contrato que devem ser seguidas à risca. “O ponto positivo é que o franqueado vai receber processos prontos e já consolidados”, diz o diretor.

O aspirante a franqueado também deve ter capital suficiente para bancar pelo menos o primeiro ano do negócio. Caso contrário, o sonho pode virar um pesadelo. “É importante que as projeções de vendas sejam realistas e de acordo com a realidade regional. É melhor ser conservador e se surpreender do que ser muito otimista e frustrar-se com os primeiros meses”, aponta Furniel.

Sobre este ponto, aliás, Furniel recomenda que o empreendedor conheça muito bem a estrutura exigida e o que é necessário para colocar a empresa de pé. “O interessado em uma franquia deve colocar na ponta do lápis todos os custos diretos e indiretos para se colocar um negócio de pé e não se iludir com negócios milagrosos e dinheiro fácil”.

O franqueado deve também fazer um estudo sobre a matriz – desde quando está no mercado, quem são seus sócios e clientes, além de conversar com outros franqueados. “Segurança é fundamental. Quanto mais informação, melhor”, recomenda Furniel.

Por último, mas não menos importante, o franqueado deve saber exatamente qual o suporte terá da franquia. “Passar por treinamentos e imersões no negócio fazem o empreendedor girar na mesma frequência e compreender com muito mais profundidade o negócio”, finaliza o diretor-executivo da Templum.