Skip to main content
Tempo de Leitura: 5 minutos

parceria SB e templum

Métricas e os ODS no pilar social do ESG

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi aprovada na cúpula das Nações Unidas em Nova York em 2015. A agenda é amplamente política e universal, composta por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 objetivos relacionados que são integrados e indivisíveis.

Com base nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), a Agenda 2030 busca orientar os Estados Membros na transformação de sua abordagem ao desenvolvimento inclusivo, colocando as pessoas no centro, com o desenvolvimento sustentável no centro, sem deixar ninguém para trás.

Reconhecemos que erradicar a pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável. Atuando em parceria com todos os países e todas as partes interessadas, esforços estão sendo feitos para implementar o plano.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Pilar Social

Os 17 ODS e 169 metas demonstram a escala e a ambição dessa agenda universal. Ele busca construir sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio enquanto realiza o que eles não conseguiram alcançar. Procura realizar os direitos humanos e alcançar a igualdade para todos. São integrados e indivisíveis, equilibrando as três dimensões do desenvolvimento sustentável, nomeadamente económica, social e ambiental.

A natureza e as interligações dos ODS são extremamente importantes para garantir que o propósito da agenda seja realizado. Já em relação as ODS no pilar social, o que podemos esperar, com relação aos seguintes quesitos, é:

O que se pode esperar dos ODS no pilar social

  • Pessoas
    Acabar com a fome e a pobreza em todas as suas formas e dimensões, além de garantir que todas as pessoas possam executar seu potencial em um ambiente saudável com dignidade e igualdade.
  • Planeta
    Proteger o planeta da degradação através do consumo e da produção sustentáveis, gerenciando os recursos naturais e adotando medidas sustentáveis sobre as mudanças climáticas, para que ele possa apoiar as necessidades das gerações atuais e futuras.
  • Prosperidade
    Garantir que todos os seres humanos possam usufruir de vidas prósperas, plenas e que o progresso social, econômico e tecnológico ocorra em harmonia e sustentabilidade com a natureza.
  • Paz
    Promover sociedades mais justas, pacíficas e inclusivas que sejam livres do medo e da violência. Não existe desenvolvimento sustentável sem paz, e nem paz sem desenvolvimento sustentável.
  • Parceria
    Mobilizar os meios necessários para implementar a Agenda 2030 por meio de uma Parceria Global renovada para o Desenvolvimento Sustentável, onde o espírito de solidariedade global prevalece focado, em particular, nas necessidades dos mais pobres e vulneráveis. Para colher os frutos dessa parceria, é necessária a participação de todos os países, partes interessadas e pessoas.

Caráter integrativo da proposta

A implementação da Agenda exige uma abordagem mais coerente, integrada e holística nos níveis regional, nacional e global. As políticas de implementação devem abordar as interligações tanto no setor social, quanto nas dimensões econômica, ambiental e social do desenvolvimento sustentável.

Da mesma forma, os mecanismos institucionais que atuam no campo do desenvolvimento social e as instituições existentes terão que ajustar e/ou ampliar o escopo de trabalho para acomodar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no pilar social.

Sabendo da necessidade de fortalecimento da dimensão social do desenvolvimento sustentável, os Estados-Membros pediram para a coerência política fosse aumentada:

1) nos setores sociais (com estratégias de erradicação da pobreza, saúde básica, políticas para melhorar o acesso à educação de qualidade, saneamento, políticas de promoção do emprego e do trabalho decente e inclusão social, água potável segura, políticas específicas para grupos  – jovens, idosos, pessoas com deficiência, povos indígenas etc.);

2) por meio da integração da política e perspectivas sociais em processos de formulação de princípios mais amplos e complexos (e vice-versa, incorporando perspectivas ambientais e econômicas na formulação de políticas sociais).

Comissão de Desenvolvimento Social (CSocD)

Como órgão preparatório e consultivo do ECOSOC em questão de desenvolvimento social, a Comissão para o Desenvolvimento Social é a única obrigada a assessorar o Conselho nas áreas de pesquisa em áreas que afetam o desenvolvimento social e econômico e no desenvolvimento de programas e políticas sociais destinados a promover a evolução social, com foco nas seguintes questões:

  • Sociedade Civil
  • Família
  • Envelhecimento
  • Juventude
  • Emprego
  • Cooperativas
  • Povos Indígenas
  • Deficiência
  • Inclusão Social
  • Pobreza

Métricas

Um mecanismo robusto de revisão e acompanhamento para a implementação da Agenda 2030 requer um quadro sólido de indicadores e dados para monitorar o progresso, informar a política e assegurar a responsabilização de todas as partes interessadas.

A estrutura global de parâmetros foi gerada com base na disponibilidade de dados existentes, tanto nacionalmente quanto a nível global, bem como na qualidade dessas informações e sua relevância para metas específicas.

Indicadores de desenvolvimento social

Indicadores sociais são dados estatísticos que analisam vários aspectos da vida de um povo que, em conjunto, retrata o estado social da nação e permite conhecer o seu nível de desenvolvimento social.

Os indicadores sociais compõem um sistema que, para ter sentido, é necessário observar uns em relação aos outros, como elementos de um mesmo conjunto.

A partir destes indicadores sociais, é possível avaliar a renda per capita, o analfabetismo, as condições alimentares e até mesmo as condições médicas-sanitárias de uma região ou país. É possível indicar os países como sendo: ricos (desenvolvidos), em desenvolvimento (economia emergente) ou pobres (subdesenvolvidos). Para que isso ocorra, os indicadores analisam:

  • Expectativa de vida (média de anos de vida de uma pessoa em determinado país);
  • Taxa de mortalidade (número de pessoas que morreram durante um ano);
  • Taxa de mortalidade infantil (número de crianças que morrem antes de completar 1 ano);
  • Taxas de analfabetismo (percentual de pessoas que não sabem ler e nem escrever);
  • Renda Nacional Bruta (RNB) per capita, baseada na equivalência de poder de compra dos habitantes;
  • Saúde (referente à qualidade da saúde da população);
  • Alimentação (referente à alimentação mínima que uma pessoa precisa e se essa alimentação é equilibrada);
  • Condições médico-sanitárias (acesso a esgoto, pavimentação, água tratada, entre outros);
  • Qualidade de vida e acesso ao consumo (número de carros, computadores, celulares, televisores, percentual com acesso à internet, etc.).

Conclusão sobre os ODS no pilar social

Você já sabe da importância das novas métricas do capitalismo sustentável e que é possível desenvolver um projeto de sustentabilidade para nortear fatores de criação, focados nos aspectos ESG. 

O SB SEAL ESG garante que seu negócio esteja em consonância com os índices ESG. Os marcos regulatórios, os acordos globais bem como os critérios que passaram por avaliação pelos principais investidores são estudados anualmente pela nossa equipe de sustentabilidade. O que garante a medida certa para cada requisito. 

Mais do que certificar, a Templum em parceria com o SB Sustainable Business Solutions garante transmissão da informação, acompanhamento do plano de ação de melhoria e relatórios anuais para seu negócio. Entre em contato com nossos agentes para garantir que seu negócio seja certificado em práticas sustentáveis!

©️ Copyright – Templum em parceria com Equipe de Resarch SB Sustainable Business Solutions