Ricardo Tocha
Por Ricardo Tocha

Como criar processos sólidos para recrutar, capacitar e motivar sua equipe

Diante das mudanças, as empresas precisam investir em processos sólidos para recrutar, capacitar e motivar colaboradores, já que a solução para o desafio da maior parte das companhias continua nas mãos de pessoas O papel das empresas se alterou significativamente nas últimas décadas desencadeando reformas estruturais e organizacionais profundas. Hoje, como em nenhum outro momento […]


Diante das mudanças, as empresas precisam investir em processos sólidos para recrutar, capacitar e motivar colaboradores, já que a solução para o desafio da maior parte das companhias continua nas mãos de pessoas

O papel das empresas se alterou significativamente nas últimas décadas desencadeando reformas estruturais e organizacionais profundas. Hoje, como em nenhum outro momento histórico, é necessário que as empresas saibam se adaptar às mudanças sociais e de mercado, que seguem acontecendo com grande rapidez.

Nesse contexto de mudanças constantes, o setor de Recursos Humanos assumiu um papel estratégico, pois a solução para boa parte dos desafios das empresas ainda continua nas mãos de quem trabalha para ela. Atualmente, o papel do RH é criar condições que permitam aos colaboradores se manterem produtivos e motivados. Para isso, necessitam criar procedimentos sólidos capazes de recrutar bons profissionais, além de capacitar o motivar que participa do corpo de colaboradores da companhia.

Honestidade com o propósito da empresa é o primeiro passo para se criar uma relação produtiva e realizadora que beneficie tanto a empresa quanto seus funcionários. No entanto esse não é o único fator. É preciso desenvolver técnicas que sejam capazes de reconhecer habilidades dentro do cenário de atuação da empresa e fazer com que seus colaboradores trabalhem com a maior eficiência em prol dos interesses corporativos.

Processos seletivos
Nem sempre por meio de processos seletivos tradicionais é possível reconhecer talentos. Para diversos casos onde o preenchimento de uma vaga demanda mais atitudes e valores do que conhecimentos técnicos propriamente, técnicas tradicionais de seleção são capazes de identificar as habilidades do candidato ideal.

Selecionar o profissional ideal para o cargo é um benefício não só para a empresa mas também para o colaborador que será descoberto e reconhecido diante de uma oportunidade real, eliminando uma série de frustrações futuras.

Desenvolver um processo seletivo bem elaborado, que integre informações técnicas e desafios emocionais, intelectuais entre tantas outras possibilidades em geral deixa de lado os testes e dinâmicas mais populares mesmo entre renomadas empresas.

Por isso, é preciso investir em processos seletivos interativos, que são uma forma eficiente de observar e medir o que a princípio parece intangível. Além de economizar um tempo precioso, pois garante alinhamento entre os novos colaboradores e o restante da organização.

Capacitação e motivação
Outra função estratégica do RH é capacitar os colaboradores para que possam contar com melhores recursos de produtividade, além de mantê-los motivados durante esse processo.

Hoje, grande parte dos potenciais candidatos prima por um ambiente de trabalho mais humano e com ferramentas que poupam tempo e incentivam a colaboração. Mais do que nunca, as pessoas procuram por um espaço de trabalho que lhes garanta autonomia, permitindo que possam interagir em estruturam menos hierárquicas e com mais liberdade de atuação.

Nesse sentido, empresas que adotam melhoram a capacidade das pessoas trabalharem de forma eficaz a distância ou em movimento vem sendo cada dia mais valorizadas.

Outro aspecto relevante diz respeito à aprendizagem e desenvolvimento dos funcionários por meio de comunidades de prática. Esse tipo de conduta faz com que os colaboradores se sintam parte de um investimento maior, em que a empresa não apenas reconhece seus valores mas busca também aprimorá-los e investir em seu conhecimento.

Receitas prontas não existem, principalmente quando se trata de gerenciamento de pessoas. No entanto, técnicas são fundamentais para que o RH possa de fato assumir um papel estratégico dentro das corporações. Nesse sentido, as metodologias de design como o design thinking e a gamificação vêm trazendo verdadeiras revoluções permitindo a criação de processos sólidos capazes de atender os interesses de uma empresa em longo prazo.

Você gostou destas dicas? Tem outras dúvidas ou gostaria de compartilhar sua experiência? Deixe-nos seu comentário!

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha tem 17 anos de experiência prática e atuou na Templum Consultoria criando conteúdo, desenvolvendo sites e outros apetrechos tecnológicos.
Ricardo Tocha