Ricardo Tocha
Por Ricardo Tocha

Investir na gestão de processos: a maneira mais segura de garantir tempo e rentabilidade para sua organização

É comum escutarmos sobre a preocupação que deve ser dispensada à gestão de processos nas organizações, mas até que ponto sua empresa vê a gestão de processos como um meio direto para o alcance de resultados expressivos, principalmente quanto à rentabilidade? Neste post iremos mostrar como o enraizamento da cultura de processos na empresa é […]


É comum escutarmos sobre a preocupação que deve ser dispensada à gestão de processos nas organizações, mas até que ponto sua empresa vê a gestão de processos como um meio direto para o alcance de resultados expressivos, principalmente quanto à rentabilidade? Neste post iremos mostrar como o enraizamento da cultura de processos na empresa é um ponto essencial para a longevidade e solvência do negócio. Para isso, apontaremos quatro questões que devem ser levadas em conta para que se faça, de fato, uma gestão voltada aos processos. Vamos a eles:

Pense na empresa, não em atividades
A regra de ouro para conceber processos que sejam eficientes e que garantam lucratividade para a sua empresa é a visão sistêmica. Ou seja, deve-se entender os entrelaçamentos das atividades da organização como um todo. Por exemplo: um processo de alocação contábil pode ser muito eficiente, mas não surtirá o efeito desejado para a organização se não existirem regras de negócio que não sobrecarreguem o setor contábil.

Envolva a liderança
O segundo ponto é essencial não só para a adoção de uma “visão de processos”, mas para qualquer mudança significativa que aconteça na empresa. O envolvimento da liderança é fundamental para que a organização entenda a necessidade da gestão de processos, e dessa forma, entre na cultura empresarial. Portanto, é primordial que a liderança sinta a necessidade de uma melhor organização e gestão dos processos, compreendendo que essa postura garante o alcance dos resultados esperados.

Meça seus processos
Todos nós conhecemos a máxima “tudo aquilo que não é medido, não pode ser gerenciado”. E ela não poderia ser mais verdadeira. A medição do processo é a essência da melhoria continua da organização, pois apenas com esse tipo de controle o ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) pode ser constantemente aprimorado. Além disso, a medição dos processos é a instância na qual o desempenho de fato da organização pode ser analisado, e, com isso, melhorado.

Atribua responsabilidades
Outra característica que emerge com a gestão por processos é o empodeiramento dos colaboradores frente as suas atividades. Esta ação é resultado da responsabilização que a gestão de processos implica àqueles fazem parte das atividades, já que as atribuições e responsabilidades de cada ator do processo fica clara e pública para todos membros da empresa. É pelo caminho da responsabilização que as pessoas envolvidas nos processos sentem a necessidade de melhorias e, mais que isso, tornam-se agentes da transformação destas necessidades.

Agora que você já sabe essas dicas básicas e valiosas, é hora de pensar em como sua organização vem pensando nos processos. Para isso, responder a seguinte pergunta é imprescindível: Gestão de processos ainda inspira dúvidas em membros da sua equipe? Caso a resposta seja afirmativa, é hora de disseminar as vantagens da organização processual. Ainda mais importante é mostrar que melhoria dos processos organizacionais é, por si só, um investimento, que ajudará sua empresa a aumentar consideravelmente sua rentabilidade.

Você está pronto para encarar esse desafio? Deixe sua opinião nos comentários!

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha tem 17 anos de experiência prática e atuou na Templum Consultoria criando conteúdo, desenvolvendo sites e outros apetrechos tecnológicos.
Ricardo Tocha