Tempo de Leitura: 2 minutos

As altas taxas de acidentes e doenças do trabalho registradas pelas estatísticas oficiais expõem os elevados custos e prejuízos humanos, sociais e econômicos que custam para o país algo em torno de 70 bilhões de reais por ano.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, todos os anos morrem, no mundo, mais de 2 milhões de pessoas, vítimas de acidentes ou de doenças relacionadas ao trabalho.

Dica de leitura: E-book A nova ISO 45001

Acidentes e doenças de trabalho

Os trabalhadores que sobrevivem aos acidentes ocupacionais são também afetados por danos (não só materiais) que não são quantificados no custo de um acidente de trabalho. Entre eles, podemos citar:

  • sofrimento físico e mental;
  • cirurgias e remédios;
  • próteses e assistência médica;
  • fisioterapia e assistência psicológica;
  • dependência de terceiros para acompanhamento e locomoção;
  • diminuição do poder aquisitivo;
  • desamparo à família;
  • preconceito;
  • desemprego;
  • marginalização;
  • depressão e traumas.

Esse fato não afeta somente as grandes empresas mas também as micro e pequenas, principalmente porque a ausência do trabalhador afeta significativamente a produtividade.

Como calcular o custo de um acidente ou doença do trabalho

O custo de um acidente é dado pela soma de duas parcelas: uma referente ao custo direto (ou custo segurado) como o recolhimento mensal feito à Previdência Social, para pagamento do seguro contra acidentes do trabalho, a outra referente ao custo indireto (custo não segurado).

Estudos informam que a relação entre os custos segurados e os não segurados é de 1 para 4, ou seja, para cada Real gasto com os custos segurados, são gastos 4 Reais com os custos não segurados.

Os custos indiretos impactam a empresa principalmente nos seguintes itens:

  • salário dos quinze primeiros dias após o acidente;
  • transporte e assistência médica de urgência;
  • paralisação de setor, máquinas e equipamentos;
  • impacto negativo gerado no grupo de trabalho;
  • interrupção da produção;
  • prejuízos ao conceito e à imagem da empresa;
  • destruição de máquina, veículo ou equipamento;
  • danificação de produtos, matéria-prima e outros insumos;
  • embargo ou interdição fiscal;
  • investigação de causas e correção da situação;
  • pagamento de horas-extras;
  • atrasos no cronograma de produção e entrega;
  • cobertura de licenças médicas;
  • treinamento de substituto;
  • aumento do prêmio de seguro;
  • multas e encargos contratuais;
  • perícia trabalhista, civil ou criminal;
  • indenizações e honorários legais;
  • elevação de preços dos produtos e serviços.

O que fazer para evitar estes custos?

A prevenção é a melhor solução! As empresas devem efetivamente implementar um sistema de gestão da prevenção de acidentes de trabalho pois essa é a  garantia de redução de custos invisíveis que “ comem “ a rentabilidade e a produtividade das empresas.

Temos um Webinar que explica como uma empresa pode criar uma cultura de segurança do trabalho por meio da ISO 45001. Vale a pena conferir o conteúdo, pode ajudar sua organização na missão de mitigar de vez qualquer acidente e doença ocupacional.

Quer saber mais sobre a ISO 45001? Clique aqui e fale com um especialista!

Daniela Albuquerque

Daniela Albuquerque

Diretora Técnica na Templum Consultoria