Skip to main content

ISO 14001: quais mudanças aconteceram na norma ao longo do tempo?

By 17 de setembro de 2021setembro 27th, 2021Meio Ambiente
Tempo de Leitura: 4 minutos

Neste post abordaremos o histórico da ISO 14001 e faremos ainda uma análise crítica sobre as principais mudanças ao longo dos anos. Vamos lá?

O que é a ISO 14001?

A ISO 14001 é uma norma certificável, elaborada pela ISO (International Organization for Standardization) e que tem por objetivo estruturar um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) para que uma organização, de qualquer natureza, possa controlar seus impactos no meio ambiente e desenvolver práticas sustentáveis atreladas às suas atividades e produtos.

Sistema de Gestão Ambiental

O Sistema de Gestão Ambiental é uma estrutura organizacional formada por um conjunto de procedimentos para gerir ou administrar uma empresa, de forma a obter o melhor controle sobre os impactos ambientais e suas atividades.

Histórico da ISO 14001

As primeiras discussões internacionais acerca de questões ambientais, ocorreram em 1972 na Conferência de Estocolmo, sobre as constatações a respeito do consumo e esgotamento de energia/ recursos naturais no mundo. A partir de então, temas ambientais se tornaram cada vez mais evidentes na vida dos cidadãos.

Ainda em uma situação embrionária, os primeiros passos para a elaboração de um sistema de gestão ambiental, surgiu por meio dos certificados de produtos, conhecidos como selos verdes, tendo como primeiro o “Anjo Azul” em 1978 na Alemanha, que tinha por intuito identificar os produtos que não agredissem o meio ambiente.

No início dos anos 90, as questões relacionadas ao meio ambiente limitavam-se ao campo da regulamentação técnica e multiplicavam-se as iniciativas de produtos que não agredissem o meio ambiente, mas não havia uma abordagem sistêmica eficiente. 

Em 1991 a ISO criou o SAGE (Strategic Advisory Group on the Environment), grupo estratégico consultivo com a função de analisar os impactos das normas internacionais sobre meio ambiente no comércio internacional, a fim de discutir os temas importantes para a padronização da gestão ambiental e a partir desses estudos, o SAGE recomendou que a ISO criasse um comitê dedicado ao tema da gestão ambiental. Outro ponto que reforçou sobre a necessidade da criação do comitê foi a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (ECO 92) em 1992.

Como resultado da pressão internacional, em 1993 em Toronto no Canadá, foi criado o Comitê Técnico 207 (TC 207), sendo o responsável pelas normas de gestão ambiental, ficando a cargo do desenvolvimento e atualizações, conforme as necessidades das partes interessadas no que diz respeito às questões ambientais.

Como resposta sobre a necessidade de padronização em uma norma certificável, em 1996, a ISO publicou sua versão, a ISO 14001, que estabelece as diretrizes básicas para um sistema de gestão ambiental, tendo como foco a proteção do meio ambiente e a prevenção da poluição. 

Devido a uma necessidade de um acompanhamento das tendências de mercado, iniciou-se o primeiro processo de revisão da ISO 14001, buscando o aperfeiçoamento da norma e ampliação de seu alcance. Porém, nem tudo são flores, e houveram algumas controvérsias entre os membros com foco nas possíveis complicações da nova revisão, a possível perda no ranking de certificações versus a maior credibilidade e compatibilidade com outras normas. 

Visando a solução dessas questões, a ISO, organizou e classificou os pontos de vistas em um único documento e em 2000 iniciou-se uma discussão entre os membros para a busca de um consenso, estendendo-se até 2004, onde foi definida a versão final para a publicação da revisão da norma ISO 14001.

A nova versão, reforçou e esclareceu alguns requisitos e conceitos, destacando a postura proativa das organizações e sua compatibilidade com outras normas, possibilitando a implantação integrada.

A segunda revisão da ISO 14001, acompanhou a necessidade de atualização e aperfeiçoamento da norma, principalmente para adequação ao Anexo SL (documento desenvolvimento pela ISO que estabelece uma estrutura única e de alto nível para as normas de sistema de gestão), estando ainda em consonância ao estudo “Future Challenges for EMS”, que apontou os desafios futuros para os sistemas de gestão ambiental, além da indicação de uma nova revisão pela NSB (National Standards Bodies).

Assim, em 2011 iniciou-se a revisão da norma ISO 14001, com o desenvolvimento de novas ideias e a elaboração de um primeiro projeto de trabalho. O processo revisional percorreu todas as fases de desenvolvimento das normas e finalmente em setembro de 2015 ocorreu a publicação da nova revisão, a ISO 14001:2015.

Análise crítica sobre as versões

A primeira versão da ISO 14001, ainda embrionária, trazia as orientações básicas sobre como estabelecer um sistema de gestão ambiental, direcionando as exigências às questões sobre a proteção ambiental e prevenção da poluição.

Com a segunda versão, observamos pequenas alterações estruturais e inclusões, como a modificação da abordagem ou divisão dos requisitos e mantendo os principais requisitos para a implantação do SGA.

A última versão, trouxe uma reformulação estratégica e totalmente alinhada com os propósitos ambientais, trouxe ainda novos requisitos, propondo uma estrutura mais detalhada e complexa para o SGA.

Dentre as principais mudanças podemos elencar:

  • Termos e Definições: trouxe uma revisão com esclarecimentos que auxiliam os leitores a uma compreensão mais ampla e completa;
  • Contexto da Organização: apresenta a necessidade para a compreensão da organização sobre o ambiente em que está inserida, considerando os fatores internos e externos que possam afetar o negócio, atuando ainda de forma positiva, sendo uma ferramenta socioambiental;
  • Liderança: esse requisito busca uma atuação mais efetiva, real e diferenciada da Alta Direção acerca dos temas ambientais, como a política ambiental e sobre a integração dos objetivos e estratégias gerais;
  • Planejamento: traz uma óptica proativa e voltada à prevenção por meio das ações para abordar riscos e oportunidades relacionados aos aspectos ambientais, requisitos legais, contexto e partes interessadas. Além da inclusão sobre o ciclo de vida do produto/ serviço;
  • Apoio: destaca-se o reforço acerca da comunicação, tanto interna quanto externa;
  • Operação: maior clareza textual e detalhamento, com reforço sobre o planejamento e controle operacional sobre o ciclo de vida do produto/ serviço;
  • Avaliação de Desempenho: trouxe alterações estruturais e textuais que possibilitam o entendimento objetivo e prático da fase de verificação do SGA;
  • Melhoria: indicam a possibilidade de aperfeiçoamento relacionada ao desempenho ambiental, prevenindo as causas das não conformidades e implementando as ações e revisões necessárias, gerenciando as mudanças e alterações que afetem a organização e seus processos.

A ISO 14001, é uma norma que favorece o pensamento ambiental alinhado às estratégias globais das organizações, de forma a promover resultados significativos em processos operacionais e administrativos, especialmente no âmbito socioambiental.

Tem interesse em implementar a ISO 14001 em sua empresa? Clique aqui e fale com um especialista!

Taís Ferreira

Taís Ferreira

Auditora na Templum Consultoria