ISO 22000: Falhas mais frequentes na implementação do Sistema de Gestão da Segurança de Alimentos (Parte II)

Cumprindo com o anunciado no post do mês passado, continuaremos percorrendo item a item a norma ISO 22000 comentando as falhas mais frequentes na implementação no Sistema de Segurança de Alimentos; então, como já comentamos, se sua empresa está no processo de implementação ou está aguardando a auditória de certificação tome nota dessas dicas para revisar seu sistema e evitar Não Conformidades desnecessárias.

A continuação listaremos os Requisitos da Norma ISO2200:2006 referentes à análise de perigos e Validação, verificação e Melhoria

7.3.3 Características dos produtos:

  • Utilização das fichas técnicas do fornecedor de matérias primas, ingredientes ou materiais de contato com o produto que não incluem todas as informações requeridas pela norma.
  • Falta de informações na descrição de matérias primas, ingredientes, materiais de contato com o produto ou produto final.
  • Falha na identificação de algum requisito estatutário ou regulamentar associado à segurança de alimentos de matérias primas, ingredientes, materiais de contato com o produto ou produto final.

7.3.4 Uso pretendido:

  • A organização não documenta o uso não pretendido mas esperado do produto, ou seja utilizações impróprias que são razoavelmente esperadas que ocorram e que podem ter impacto na segurança dos alimentos (Ex.: Consumo cru de macarrão instantâneo)

7.3.5 Fluxogramas, etapas do processo e medidas de controle

  • Fluxogramas incompletos: omissão de algumas entradas ou saídas do processo, falta dos processos externos relevantes à segurança dos alimentos, fluxos de reprocesso não contemplados.
  • Falta de evidência da validação “in loco” por todos os integrantes da ESA.
  • Falta de descrição de alguma das etapas abarcadas pelo fluxograma.

7.4 Análise de perigos:

  • Falha na identificação de alguns dos perigos relevantes à segurança dos alimentos e falta de justificativa para perigos não significativos.
  • Identificação genérica do perigo não permite uma avaliação consistente do risco (Ex. Perigo: Bactérias patógenas, forma correta: Perigo: Salmonella sp.)
  • Falha na definição do nível aceitável dos perigos identificados (Ex.: falta de informação sobre o nível aceitável de um perigo relevante ou falta de referência bibliográfica ou normativa sobre o nível aceitável).
  • Seleção e avaliação da medida de controle utilizando a arvore decisória do Codex que foi formulada para avaliar perigos e não medidas de controle.

7.5 Estabelecimento dos Programas de Pré-requisitos operacionais:

  • A descrição dos PPROs não inclui a totalidade dos itens requeridos pela norma (Ex.: Monitoramento, Correções e Ações Corretivas, Responsabilidade e Autoridades)
  • Falta de evidência de validação das medidas de controle para os PPROs

7.6 Estabelecimento do Plano APPCC:

  • A descrição dos PCCs não inclui a totalidade dos itens requeridos pela norma (Ex.: Limite Crítico, Monitoramento, Correções e Ações Corretivas, Responsabilidade e Autoridades).
  • Falta de evidência de validação das medidas de controle para os PCCs.
  • Os limites críticos indicados para a medida de controle não são mensuráveis e não fica claro quando o resultado está não conforme.
  • Medidas de controle definidas sobre medições no produto em lugar do processo, prejudicando o tempo de toma de ações (Ex.: Análise microbiológico em lugar de controle de tempo e temperatura do pasteurizador).

7.7 Atualização de informações preliminares e documentos especificando os PPR e o Plano APPCC

  • Falta de atualização das informações preliminares quando necessário.

7.8 Planejamento da verificação

  • Falta de planejamento ou falta registro das atividades de verificação de todos os requisitos e pré-requisitos compreendidos pela norma.
  • A equipe de segurança dos alimentos não analisa os resultados das atividades de verificação.

7.10 Controle de não conformidades

  • Falta de definição de correções ou ações corretivas em caso de desvio para o produto e para o processo.
  • Ações corretivas definidas após uma análise de causas deficiente não evitam a recorrência do problema.
  • Falha no entendimento do conceito de Correção e Ação Corretiva.
  • Falta de evidências que após desvios nas medidas de controle os produtos são tratados como potencialmente inseguros e são analisados antes da sua liberação.

8. Validação, Verificação e Melhoria

8.2 Validação das combinações de medidas de controle

  • Ausência de evidências de validação das Medidas de Controle já implementadas para PPROs e PCCs.
  • Procedimentos de validação das Medidas de Controle deficientes (Ex.: resultados estatisticamente não significativos).

8.3 Controle de monitoramento e medição

As falhas no requisito “Controle de monitoramento e medição” normalmente são apontadas nos requisitos da ISO/TS nas certificações FSSC.

8.4 Verificação do SGSA

  • Falta de evidências sobre as competências dos auditores internos.
  • Falhas de imparcialidade (Ex.: auditores auditando o seu próprio trabalho ou área).
  • As não conformidades levantadas nas auditorias internas não são tratadas em tempo e forma adequada.
  • A organização não realiza uma análise que permita identificar tendências nos resultados das verificações antes do desvio acontecer de fato.

8.5 Melhoria

  • Falta de evidência de melhoria continua no SGSA (Ex. redefinição dos objetivos, redefinição da política de segurança de alimentos).
  • O SGSA não é atualizado para atender as mudanças do entorno.

Agora vocês têm nas suas mãos mais de 60 dicas para revisar seu sistema e encarar a auditoria sem temor de ser surpreso por uma Não Conformidade desnecessária.

A Certificação está bem perto de vocês!!

Sucessos!!

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *