Patricia Moyano
Por Patricia Moyano

ISO 22000: Falhas mais frequentes na implementação do Sistema de Gestão da Segurança de Alimentos

Olá!! No post de hoje percorreremos item a item da norma ISO 22000 comentando as falhas mais frequentes na implementação no Sistema de Segurança de Alimentos. Se sua empresa está no processo de implementação ou estão aguardando a auditoria de certificação tome nota dessas dicas para revisar seu sistema e evitar Não Conformidades desnecessárias.


Sem mais delongas, listaremos o Requisito da Norma ISO2200:2006 seguido das falhas mais frequentes:

Principais falhas e Não Conformidades no requisito 4 – Sistema de Gestão da Segurança de Alimentos

4.1 Requisitos gerais:

  • Definição de escopos pouco claros que não incluem todos os produtos ou processos que desejam ser certificados;
  • Falta de inclusão do local de produção quando somente será submetido a certificação um dos sites da organização;
  • Inclusão de processos externos no escopo sem evidência de controle destro do SGSA (Ex.: “distribuição”).

Dica de leitura: O que é HACCP?

4.2 Requisitos de documentação:

  • Revisões obsoletas de documentos ou registros sendo utilizadas em lugar da versão atualizada;
  • Falta de procedimentos documentados ou falta de registros exigidos pela norma;
  • Falhas de preenchimento nos registros (falta de dados de monitoramento ou falta de assinaturas de verificação);
  • Falhas no controle de documentos externos (documentos de clientes, legislações ou documentos do fornecedor).

Webinar - O que esperar da nova versão da ISO 22000:2018

Conheça as principais novidades da ISO 22000:2018 e como ela pode trazer resultados diferentes para sua empresa!


Webinar

Principais falhas e Não Conformidades no requisito 5 – Responsabilidades da Direção

5.1 Comprometimento da Direção

  • Falhas na evidência de realização da reunião Análise Crítica pela direção.

5.2 Política de Segurança dos Alimentos

  • A política está definida de uma maneira complexa e pouco compreensível para todos os níveis envolvidos da organização;
  • Os funcionários, embora muitas vezes conhecem o texto da política, frequentemente desconhecem o impacto das suas atividades na Segurança de Alimentos;
  • Falhas na definição dos objetivos que suportam a Política de Segurança de alimentos (Ex.: Os objetivos não estão relacionados à Segurança de alimentos ou não são claramente mensuráveis)

5.3 Planejamento do SGSA

  • Não há um planejamento do SGSA ou falta o acompanhamento das ações definidas para no planejamento.

5.4 Responsabilidade e Autoridade

  • Algumas responsabilidades ou autoridades não estão definidas;
  • Algumas responsabilidades ou autoridades estão definidas mas não estão sendo assumidas pelo funcionário designado.

5.5 Coordenador da Equipe de Segurança dos Alimentos

  • Falta de evidência que o Coordenador da Equipe de Segurança dos Alimentos foi indicado pela alta direção;
  • Coordenador sem autoridade para executar as atividades definidas pela norma (EX.: gerenciar a equipe, assegurar o treinamento da equipe, etc.)

5.6.1 Comunicação Externa

  • Não foi claramente definida quais são as funções dentro da organização que tem responsabilidade pela comunicação externa;
  • Falta de adequação do SGSA conforme as atualizações estatutárias e regulamentares nacionais, estaduais ou locais;
  • Não há registros relacionados à comunicação externa nem há definição do seu controle conforme com o item 4.2.3 Controle de registros.

5.6.2 Comunicação Interna

  • Comunicação interna ineficaz sobre os assuntos referentes à segurança de alimentos (Ex.: capacitação dos colaboradores, compreensão da política de segurança de alimentos ou acesso da equipe de segurança de alimentos a informações sobre mudanças que impactam no SGSA).

5.8 Análise crítica pela direção

  • Falta de análise de algumas das entradas especificadas pela norma;
  • Falta de planejamento de ações a serem tomadas após a análises das informações.

Principais falhas e Não Conformidades no requisito 6 – Gestão de Recursos

6.2 Recursos Humanos

  • Falhas na definição de competências necessárias para funções que impactam na segurança de alimentos;
  • Falta de evidências que comprovem que determinada competência está sendo atendida;
  • Funcionários responsáveis de monitoramentos ou atividades diretamente relacionadas à segurança dos alimentos sem evidência de qualificação.

6.3 Infraestrutura

  • As falhas no requisito infraestrutura normalmente são apontadas nos requisitos da ISO/TS nas certificações FSSC.

Principais falhas e Não Conformidades no requisito 7 – Planejamento e realização de produtos seguros

7.2 Programa de Pré-requisitos (PPRs)

  • Os PPRs estão definidos mas não se encontram totalmente implementados;
  • A definição dos PPRs não atende algum requisito de cliente ou regulamentar aplicável (Ex.: POP de recall não considera o disposto na RDC 24/2015);
  • O planejamento da verificação dos PPRs não abrange todos os pré-requisitos aplicáveis.

7.3.2 Equipe de Segurança de Alimentos (ESA)

  • Falta de evidências que comprovem que os integrantes da ESA possuem competências, conhecimentos e experiência adequados para a função;
  • Os trabalhos de responsabilidade da toda a equipe são assumidos por um pequeno grupo de pessoas e até, em alguns casos, ficam sob a responsabilidade somente do Coordenador da equipe.

 

Até aqui comentamos as principais falhas na implementação dos primeiros requisitos das ISO 22000, se acharam essa informação útil, deixe aqui seus comentários e opiniões sobre o assunto.

Gostou do texto? Você precisa ver a parte II deste artigo. Clique aqui para acessar a parte II do artigo.

Patricia Moyano

Patricia Moyano

Formada em Microbiologia pela UNRC na Argentina, e apaixonada pela inocuidade dos alimentos. Diplomada em MBA de Negócios e Empreendedorismo pela UFJF-MG,
Especialista em Segurança de Alimentos e auditora líder FSSC 22000 pela SGS Academy. Possui mais de 8 anos de experiência na gestão da qualidade e segurança dos alimentos.
Patricia Moyano