Pular para o conteúdo

Os 4 métodos de consultoria

Você sabia que existem 04 métodos distintos de consultoria? Vamos detalhar cada um deles e entender as diferenças que existem:

O primeiro, é o MÉTODO TRADICIONAL.

Nesta opção, o consultor “vende horas de trabalho”. Ou seja, o dimensionamento (e o valor) do projeto é realizado de acordo com a quantidade de tempo / visitas necessárias para o cumprimento do cronograma de trabalho. O trabalho de implementação é realizado pelo consultor, que destina os assuntos dentro da empresa.

  • Pontos Fortes: relacionamento forte com o cliente, gerando uma alta retenção de clientes por meio da proximidade.
  • Pontos Fracos: o projeto é dependente do consultor, não tem escala, o consultor tende a ter uma péssima qualidade de vida e o projeto sempre fica mais caro que o orçado inicialmente porque surgem “novidades” ao longo do processo, além de ter alto impacto ambiental devido ao grande deslocamento viário e aéreo.

A segunda forma é o MÉTODO COMPARTILHADO.

Neste método, o consultor também “vende horas”, mas elas são compartilhadas entre varias empresas. Neste caso, o consultor reúne ao mesmo tempo uma quantidade de empresas que precisam da mesma consultoria e disponibiliza as atividades e explicações com base em um cronograma pré-estabelecido previamente. Ou seja, o dimensionamento (e o valor) do projeto é realizado com base em um cronograma de trabalho com os custos divididos entre os participantes. O trabalho de implementação é realizado pela própria empresa e que destina os assuntos dentro da empresa.

  • Pontos Fortes: baixo valor de investimento, possibilidade de networking, pequeno ganho de escala.
  • Pontos Fracos: depende da execução das tarefas pelos outros para o andamento do projeto e alta taxa de insucesso.

O terceiro método não pegou no Brasil, mas é bem comum nos Estados Unidos, que é o FAÇA VOCÊ MESMO.

Neste método, o consultor “vende documento” elaborado por ele com instruções de execução e o cliente implementa sozinho, com base nas instruções.

  • Pontos Fortes: baixo valor de investimento com o máximo de escala possível.
  • Pontos Fracos: alta taxa de insucesso pela falta de aplicação prática.

O ultimo método e também o mais atual é a CONSULTORIA DIGITAL.

Neste método, o consultor “vende transformação”. Ou seja, o dimensionamento (e o valor) do projeto é realizado pelo esforço necessário de levar a empresa do ponto A (onde ela está) até o ponto B (objetivo esperado). Quanto maior a autoridade do consultor, maior o valor agregado no projeto. O trabalho de implementação é realizado pelo cliente, que recebe o conhecimento que foi transferido pelo consultor por meio de produtos estruturados e dos canais de comunicação disponíveis (plataforma, chat, chamado e conferências).

O pulo do gato aqui é entender que na consultoria ser digital, a premissa da promessa de valor é trocar a presença pela disponibilidade, ou seja, o valor da consultoria não está na quantidade de horas que o consultor está presente no cliente, mas sim pela transformação realizada por meio do conhecimento, troca-se então, a presença pela disponibilidade.

  • Pontos Fortes: escala de clientes, qualidade de vida do consultor, alta taxa de sucesso, registros automatizados dos atendimentos, facilidade na gestão de times, padronização do atendimento e maior preservação de recursos.
  • Pontos Fracos: O relacionamento mais técnico do que pessoal traz mais desafios para retenção de clientes.

IMPORTANTE: Ao longo da Pandemia, várias empresas de consultoria começaram a atender seus clientes via skype, zoom (entre outras ferramentas de comunicação) e começaram a chamar esta comunicação de “consultoria digital ou online”. Porém, são apenas métodos tradicionais com um canal digital.

A Templum executa consultoria digital desde 2010 e já temos mais de 1700 certificações neste método. Conheça mais sobre a Templum e a consultoria digital neste link.