gestao-de-inovacao-iso-56002
Marília Cardoso
Por Marília Cardoso

ISO 56002: o que é a ISO de inovação?

ISO 56002: o que é a ISO de inovação?  A inovação é uma demanda latente nos dias de hoje. Contudo, diante de um contexto de grandes e rápidas transformações aliadas às tecnologias exponenciais, as empresas se sentem completamente perdidas sobre como manter o negócio atraente e lucrativo em um ambiente de tanta volatilidade.  Foi pensando […]


Tempo de Leitura: 5 minutos

ISO 56002: o que é a ISO de inovação? 

A inovação é uma demanda latente nos dias de hoje. Contudo, diante de um contexto de grandes e rápidas transformações aliadas às tecnologias exponenciais, as empresas se sentem completamente perdidas sobre como manter o negócio atraente e lucrativo em um ambiente de tanta volatilidade. 

Foi pensando nessa demanda que foi lançada em 2020 a ISO 56002, de gestão da inovação. Em pouco mais de um ano, a norma já foi adotada por mais de 150 empresas em todo o mundo – quatro só no Brasil. A maior delas é a AirBus, uma das maiores empresas do mundo, do setor aeronáutico, com mais de 150 mil funcionários.

Fundada em 1947, com o intuito de ajudar na reconstrução das empresas devastadas pela Segunda Guerra Mundial, a ISO – Organização Internacional de Padronização, é uma instituição sem fins lucrativos sediada em Genebra, na Suíça. Ancorada nos princípios da isonomia (que em grego significa igualdade), a organização possui mais de 22 mil normas técnicas, sendo mais de 180 normas de sistema de gestão que visam o estabelecimento de padrões mundiais para a gestão de negócios. 

Com 164 países-membros, a ISO consolidou-se como uma das mais importantes referências internacionais no que tange a normatização e modelos de gestão. 

A formatação da ISO 56002

De posse de toda essa credibilidade e know how, em 2013, a ISO criou um grupo de estudos internacional, o ISO TC-279, a fim de mapear as melhores práticas de inovação de todos os países-membros. 

Ao longo desses anos, muitos países colaboraram ativamente, como foi o caso da França, Canadá, Portugal, Rússia, Espanha, Inglaterra e o próprio Brasil, que contribuíram com a norma ABNT/16.501/2011. 

A família de normas de inovação conta ainda com outras normas de apoio, como a ISO 56000 é a norma que determina vocabulários e fundamentos. A ISO 56002 é a norma que passa as diretrizes para implementar o sistema de gestão e é a única que é certificável via atestado de conformidade

Além dela, existem ainda ISO 56003, que auxilia as empresas através das ferramentas e métodos de inovação; a ISO 56004, encarregada do assessment; a ISO 56005, de ferramentas e métodos para gestão da propriedade intelectual; a 56006, de ferramentas e métodos para a gestão da inteligência estratégica; 56007, de gestão de ideias; 56008, de ferramentas e métodos para medição da performance do sistema de gestão; e a 56009, que é um guia prático para inovação.

Embora nem todas já estejam publicadas, as normas têm sido amplamente procuradas por empresas de diversos portes e segmentos na busca por uma melhor gestão da inovação. 

Princípios da norma

A norma vem ganhando cada vez mais importância, em especial em um contexto de pandemia e grandes transformações globais. Inovar se tornou uma palavra de ordem e o que a ISO 56002 propõe é a estruturação dos processos para inovar com foco na geração de resultados. Afinal, se a inovação não for bem planejada, a empresa corre o risco de não conseguir transformar ideias em resultados.

Seu maior objetivo é criar cultura e processos para gerar inovação em empresas de todos os portes e segmentos por meio da implementação da norma. Baseada em oito pilares – direção estratégica, abordagem por processos, realização de valor, liderança com foco no futuro, cultura colaborativa, adaptabilidade e resiliência, gestão de incertezas e gestão de insights – a ISO 56002 defende que uma inovação pode ser um produto, serviço, processo, modelo, método ou a combinação de qualquer uma delas.  Contudo, o conceito de inovação é caracterizado por novidade e valor. Em suma, isso significa que ideias sem a manifestação de valor não são inovações e sim invenções.

A terminologia da norma principal com o número dois é um indício de que ela é uma norma de diretrizes e não de requisitos. Ou seja, ela aponta caminhos, mas entende que não há uma receita única para todas as empresas. 

“Inovação é um campo de estudos muito amplo, vasto e complexo. A ISO entendeu que o que funciona em uma empresa, pode não funcionar em outra. Por isso, além de entender profundamente todas essas normas, os profissionais envolvidos no processo de implementação devem ter um profundo conhecimento sobre metodologias e ferramentas de inovação para conquistar resultados realmente efetivos”, defende Alexandre Pierro, sócio-fundador da PALAS, parceiros da TEMPLUM nessa jornada.

Processo de certificação

O processo de certificação, via atestado de conformidade, é simples. A ISO 56002 pode ser implementada em empresas de todos os portes e segmentos. É possível fazer a implementação em um único departamento ou na empresa como um todo. Há ainda casos de implementação em várias unidades ao mesmo tempo, inclusive em países diferentes, no caso de multinacionais. 

O primeiro passo é a realização de um assessment, que avalia qual é o nível de aderência de uma empresa em relação aos pilares da norma. Depois disso, inicia-se o processo de implementação, que leva de quatro a oito meses, dependendo do nível de complexidade e da maturidade da empresa em relação ao tema. 

O processo de implementação é bastante simples, mas requer conhecimento técnico tanto sobre inovação quanto sobre normas ISO. Por isso, contar com o apoio de uma consultoria experiente é fundamental. Depois de implementar todos os itens normativos, a empresa passa por uma auditoria de certificação, feita por um organismo certificador. Sendo aprovada, recebe o atestado de conformidade. 

Feito isso, será hora de colocar todos os processos em plena operação, a fim de gerar um grande volume de ideias que podem se tornar uma inovação, seja em produtos, processos ou mesmo em modelos de negócios. Manter o acompanhamento dos indicadores é fundamental para garantir o sucesso do sistema de gestão da inovação. 

A cada 12 meses, a empresa deverá passar por uma auditoria de recertificação, onde serão novamente analisados todos os aspectos normativos a fim de mapear gaps, não-conformidades e possíveis oportunidades de melhoria. Estando tudo certo, a empresa terá seu certificado renovado. 

A ISO 56002 no Brasil 

No total, quatro empresas brasileiras já adotaram a ISO 56002. A primeira foi a MZF4, indústria de transformação do ramo de nylon localizada na capital paulista. Na mesma época, a CSI Locações, empresa de locação de equipamentos de Fortaleza, no Ceará, também conquistou o atestado de conformidade nesta norma.

A terceira empresa foi a PALAS, que decidiu experimentar esse modelo de gestão em seus próprios processos. “Mesmo sendo especialistas em inovação e tendo participado da formatação da norma, notamos muitos ganhos ao realizar a nossa própria implementação, como por exemplo, a definição de metas e a melhor gestão dos riscos do negócio”, destaca Pierro.

A empresa mais recente certificada na ISO 56002, foi a Atento, uma das maiores empregadoras do Brasil, multinacional do ramo de contact center. “Hoje, podemos dizer que a inovação faz parte de nossa cultura e está entre as principais prioridades de investimento da empresa, com objetivo de aprimorar nossa oferta e trazer os melhores resultados para os nossos clientes”, destaca Maurício Castro, diretor da empresa.

Muito em breve, mais uma empresa receberá o atestado de conformidade nesta norma. Dessa vez, no ramo de tecnologia. E, ao que tudo indica, em 2021, serão muitas outras, já que há muitas empresas interessadas na implementação. 

Quais são os benefícios?

Os benefícios da ISO 56002 para uma empresa são enormes, dos quais podemos citar:

  1. maior capacidade de gerenciar incertezas;
  2. aumento do crescimento, receita, rentabilidade e competitividade;
  3. redução de custos e desperdícios e aumento da produtividade e eficiência de recursos;
  4. maior sustentabilidade e resiliência;
  5. maior satisfação de usuários, clientes, cidadãos e outras partes interessadas;
  6. renovação sustentada do portfólio de ofertas;
  7. pessoas engajadas e capacitadas na organização;
  8. maior capacidade de atrair parceiros, colaboradores e financiamento;
  9. reputação e valorização aprimoradas da organização;
  10. conformidade facilitada com os regulamentos e outros requisitos relevantes.

Além disso, a maior vantagem do processo de implementação dessa norma, além de se tornar uma referência em inovação, é transformar ideias em resultados. Infelizmente, é muito comum muitas empresas gerarem ótimas ideias, mas que, por falta de processos, acabam nunca saindo do papel. 

 

E você, está afim de deixar ótimas ideias no papel por falta de processos? 

CLARO QUE NÃO, QUERO FALAR AGORA COM UM ESPECIALISTA!

 

Marília Cardoso
Últimos posts por Marília Cardoso (exibir todos)