Ricardo Tocha
Por Ricardo Tocha

Quais as diferenças entre a ISO 9001 e o PBQP-H?

A ISO 9001 é internacional e aplicável a todo tipo de empresa. O PBQP-H é nacional e aplicável somente às empresas do ramo de Construção Civil. Além dos requisitos da ISO 9001, o PBQP-H tem requisitos específicos para construção civil: Item 5.4.1.1: Objetivos da qualidade voltados à sustentabilidade do canteiro de obras Item 7.1.1: Plano […]


A ISO 9001 é internacional e aplicável a todo tipo de empresa.

O PBQP-H é nacional e aplicável somente às empresas do ramo de Construção Civil.

Além dos requisitos da ISO 9001, o PBQP-H tem requisitos específicos para construção civil:

Item 5.4.1.1: Objetivos da qualidade voltados à sustentabilidade do canteiro de obras
Item 7.1.1: Plano de Qualidade da Obra
Item 7.1.2: Planejamento da Execução da Obra
Item 7.4.1.1: Processo de qualificação de fornecedores
Item 7.4.1.2: Processo de avaliação de fornecedores
Item 7.4.2.1: Materiais Controlados
Item 7.4.2.2: Serviços Controlados
Item 7.4.2.3: Serviços Laboratoriais
Item 7.4.2.4: Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia
Item 7.3.8: Analise Critica de Projeto fornecido pelo cliente
Item 7.5.1.1: Controle dos serviços de execução controlados
Item 7.5.3.1: Identificação
Item 7.5.3.2: Rastreabilidade

A diferença se acentua nos controles de registros específicos para serviços e materiais voltados à construção civil e na elaboração do plano de qualidade da obra.

Uma empresa certificada PBQP-H pode também certificar-se ISO 9001, visto que os requisitos normativos estão contemplados.

Para obter as certificações, tanto a ISO 9001 como o PBQP-H, as empresas deverão ser submetidas à auditoria externa por organismo certificador credenciado junto ao INMETRO. O PBQP-H pode ser certificado por níveis (B e A), sendo que o nível A contempla todos os requisitos normativos.

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha

Ricardo Tocha tem 17 anos de experiência prática e atuou na Templum Consultoria criando conteúdo, desenvolvendo sites e outros apetrechos tecnológicos.
Ricardo Tocha