riscos escritório contábil
Guilherme Kiellander
Por Guilherme Kiellander

Quais são os riscos na operação que seu escritório contábil está sujeito e de quem é a responsabilidade?

Você sabe o que é gestão de risco e o quanto ela impacta em seu escritório? Entenda neste post!


[Total: 1    Média: 5/5]

Quantas vezes, na intenção de ajudar o cliente, o seu escritório contábil se colocou numa zona de risco num fechamento de balanço ou cálculo de IR? E se o cliente cair numa malha fina, de quem será a responsabilidade de revisar todos os cálculos e pagar eventuais multas? Vamos falar de gestão de riscos?

O que é gestão de riscos

Gestão ou gerenciamento de risco corporativo é o processo de planejamento, organização, liderança e controle das atividades de uma organização a fim de minimizar os efeitos do risco sobre o capital próprio de uma organização e seus ganhos. Gerenciamento de riscos corporativos expande o processo para incluir não apenas os riscos associados a perdas acidentais, mas também financeiros, estratégicos, operacionais e outros riscos.

O gerenciamento de riscos corporativos possibilista aos administradores de escritórios contábeis, insumos para tratar com eficácia as incertezas, bem como os riscos e as oportunidades a elas associadas, tudo para melhorar a capacidade de gerar valor às partes envolvidas.

A seguir, veja os principais benefícios que um processo de gestão de riscos oferece:

  • Identificação de gargalos e riscos preventivamente;
  • Fortalecimento das decisões em resposta aos riscos;
  • Redução de surpresas e e prejuízos operacionais ou de imagem;
  • Melhor aproveitamento de oportunidades;
  • Otimização do capital.

3 passos para implantar a gestão de riscos no seu escritório contábil

A seguir, veja os três principais passos que você precisa dar para iniciar um processo de gestão de riscos em sua empresa contábil:

1 – Mapeie os riscos

Todos os negócios precisam mapear seus pontos fortes e fracos. Para isso, é necessário um certo distanciamento, um certo desprendimento. É preciso ser realista para não superestimar demais o que fortalece ou subestimar as vulnerabilidades.

Uma maneira prática de fazer o mapeamento dos riscos é definir os processos críticos, aqueles que demandam mais cuidado ou atividades de colaboradores mais experientes e especializados. Se algo sair errado nestes processos, quais são os riscos que o seu escritório corre? Multas, sansões governamentais, processos, litígios, quebras de contrato… Procure responder com sinceridade quais são os riscos reais!

Diagnóstico para escritórios contábeis

Saiba quais oportunidades seu escritório pode estar perdendo


2 – Faça a priorização dos riscos

Se você identificou poucos riscos, tudo bem. Agora, se há muitos riscos, como lidar com todos eles ao mesmo tempo? Simplesmente, não é possível; você não pode parar sua operação para regularizar tudo do dia para a noite. É preciso, então, mais uma prova de desprendimento: a priorização.

Analise a probabilidade de impacto de cada risco mapeado e jogue para o topo da lista aqueles que impactam mais o seu negócio. Ela pode ser mensurável (perdas financeiras, por exemplo) ou intangível (danos à reputação, desconfiança do cliente, perda de liderança interna etc.).

3 – Trabalhe para a mitigação dos riscos

Depois de reconhecer e priorizar os riscos, é hora de arregaçar as mangas e trabalhar para diminuí-los ao máximo. É a hora de juntar a equipe e criar soluções eficientes para que cada um dos riscos se tornem mínimos.

Inicie pelas ações de ganho rápido (sempre pelos riscos prioritários), aquelas que demandam baixo esforço e grandes benefícios. Vá nesta sequência: ganho rápido e prazos curtos, médios e longos.

É preciso ter em mente que a gestão de riscos é um processo dinâmico e contínuo. Ela é fundamental para a boa governança do seu escritório contábil. Por isso é importante que os profissionais envolvidos no seu negócio estejam sempre atentos e tenham autonomia e competência para diagnosticar, priorizar, monitorar e gerir os riscos, sempre atentos às mudanças do ambiente interno (novos colaboradores, novas soluções tecnológicas etc.) e externo (mudanças na legislação, acordos contratuais com clientes etc.) para não serem surpreendidos por riscos desconhecidos e/ou não controlados.

Seu escritório contábil já conta com um plano de gestão de riscos? Deixe seu comentário!