Daniela Albuquerque
Por Daniela Albuquerque

Uma breve análise sobre a nova medida do CONAR sobre “Greenwashing”

Ontem a organização DNV (Det Norske Veritas) publicou em seu informativo mensal uma matéria sobre a nova medida do Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária (CONAR) sobre o Greenwashing ou Maquiagem Verde, que é a propaganda enganosa que tem como objetivo melhorar a imagem de um produto ou empresa por meio de atributos “verdes” que não […]


Ontem a organização DNV (Det Norske Veritas) publicou em seu informativo mensal uma matéria sobre a nova medida do Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária (CONAR) sobre o Greenwashing ou Maquiagem Verde, que é a propaganda enganosa que tem como objetivo melhorar a imagem de um produto ou empresa por meio de atributos “verdes” que não são aplicados na prática.

Esse realmente é um assunto com uma relevância muito grande e que merece uma atenção especial por todos, profissionais ou consumidores, porém eu gostaria de chamar atenção para outro aspecto que merece destaque, que são os critérios que foram definidos nessa nova medida.

Segundo as novas regras, os princípios que devem ser seguidos pelas campanhas publicitárias são:

– Veracidade

– Exatidão

– Pertinência

– Relevância

Na verdade até parece um pouco óbvio que as empresas ao definirem suas propagandas utilizem esses itens acima para divulgar os seus produtos ou marcas. Será?

Na prática o que vemos é outra realidade, muitas vezes não por uma falta de “caráter” das pessoas envolvidas nesse processo, mas sim por falta de conhecimento e acreditem… por falta de gestão!

Segundo pesquisa publicada nessa mesma reportagem, apenas 16% das pessoas pesquisadas entendem o conceito correto de “sustentabilidade”, então já nesse dado conseguimos extrair uma informação importante.

O outro motivo citado é a falta de uma gestão eficiente, pois grande parte das empresas não têm dados concretos e objetivos sobre a sua atividade, sua capacidade instalada, o tipo e a quantidade de recursos utilizados, indicadores de desempenho, satisfação do cliente, metas, entre outros.

Isso acontece porque essas informações só existem se a empresa tiver processos definidos e assegurar que essas atividades aconteçam em condições controladas, afinal como mensurar um resultado se não existem parâmetros confiáveis para comparação?

Sem esses parametros, a organização utiliza dados ilusórios, gerando resultados superficiais e transmite essas informações para o mercado como sendo verdadeiras e confiáveis, afinal, se são esses dados que o proprio empresário utiliza para a sua administração, qual é o problema em utiliza-los para comprovar a sua eficiência?

Portanto, essa medida publicada pelo  CONAR introduz uma discussão ainda mais profunda do só a questão da “maquiagem verde”, pois não há como uma empresa ser verdadeiramente sustentável se não estiver alinhada com as práticas eficazes de gestão possibilitando a análise objetiva da sua operação e de seus processos.

Sendo assim, para a empresa acompanhar as tendências do mercado mundial é necessário realizar um diagnóstico da sua empresa e começar a mudar rapidamente o seu comportamento. Afinal… não há melhorias sem mudanças.

Bom Trabalho!

 

 

A reportagem completa está disponível no link: http://www.dnv.com.br/services/certification/management_systems/newsletter/ano2_ed7/greenwashing.asp

Daniela Albuquerque

Daniela Albuquerque

Sócia e Especialista Chave em Templum Consultoria
Por ser apaixonada por qualidade e melhoria contínua de negócios e pessoas sou a Sócia Responsável pelo Sucesso do Cliente na Templum por meio de mentoria e treinamento interno das equipes de consultores e atendimento ao cliente e da elaboração de produtos, treinamentos e conteúdos que permitem o fortalecimento das empresas.
Formada em Comunicação Social, MBA em Gestão de Negócios e especialista em Sistemas de Gestão Integrada.
Daniela Albuquerque