Patricia Moyano
Por Patricia Moyano

6 formas para fazer seu certificado ISO 22000 gerar lucro

Em posts anteriores falamos sobre as perdas econômicas na produção de alimentos que poderiam ser evitadas com a implementação de um sistema de gestão. Hoje tomaremos um tempo para explicar qual é o ganho decorrente da implementação de um sistema de gestão que cuide da segurança do produto.


[Total: 2    Média: 5/5]

Inicialmente, podemos pensar em dois tipos de ganhos ou benefícios; primeiro e mais procurado é o tangível: ganho ou lucro econômico; e o segundo que iremos chamar de o ganho intangível, mais subjetivo, mas tão importante quanto o primeiro, pois dá apoio ao crescimento econômico.

Estimar o lucro econômico da organização com a implementação de um sistema de gestão dependerá das características da empresa, do mercado e dos produtos que elabora; enquanto o ganho intangível será percebido na melhoria e organização geral da empresa. Para entender melhor vamos a listar os 6 principais elementos que envolvem ganhos e que se vem beneficiados com a implementação e certificação de um sistema de gestão de segurança em alimentos:

#1 Penetração de mercado

Cada vez mais, os grandes players do mercado só compram de fornecedores certificados. Desde grandes organizações que adquirem matérias primas para seu processo de produção no mercado B2B, até as cadeias de supermercado que exigem que as empresas que procuram colocar seu produto nas prateleiras sejam certificadas, principalmente as empresas que elaboram produtos com a marca do supermercado.

Então, o que antigamente era um diferencial, hoje é um requisito básico de comercialização.

#2 Exportação

A escolha de sistemas de gestão de segurança de alimentos reconhecidos pelo comité Global Food Safety Initiative (GFSI), como é no caso da FSSC 22000, diminui barreiras na hora de exportar o produto, promovendo a abertura de novos mercados. Por exemplo, empresas que comercializam produtos agropecuários minimamente processados como café, cacau, castanhas, entre outros, são verdadeiramente favorecidas nas negociações internacionais

#3 Satisfação e confiança dos clientes:

 Clientes e consumidores tem acesso a informações de maneira instantânea, por meio das redes sociais ou das pesquisas na internet. Isso faz que as escolhas que realizam sejam cada vez mais conscientes e fundamentadas.

Então, as empresas que demonstram compromisso com os valores e interesse do cliente serão, sem dúvida alguma, as escolhidas no momento da compra. Pode acreditar, a segurança do produto e, consequentemente, a saúde do consumidor é um dos valores mais almejado pelo seu cliente.

Além disso, a boa imagem da empresa promove a fidelização dos consumidores e a consolidação duradoura do produto no mercado. Logo, também podemos afirmar que a situação contrária é muito verdadeira, pois todos lembram de produtos que sumiram do mercado depois de algum acidente que afetou a saúde do seu consumidor.

E-book gratuito!

O impacto do Sistema de Gestão da Segurança dos Alimentos na cadeia alimentar


E-book

#4 Produtividade

O sistema de gestão de segurança de alimentos, embora foca na inocuidade do produto, envolve uma visão preventiva sobre todos os processos do sistema. A visão preventiva, reduz a incidência de produtos não conformes e em consequência aumenta a produtividade.

Outro fator que favorece a produtividade é a melhoria organizacional decorrente da implementação do sistema de gestão, pois a gestão causa maior conscientização dos colaboradores e comunicação mais organizada e objetiva. Em consequência, os colaboradores se sentem mais engajados, comprometidos e identificados com a companhia. Pense bem, todos nós preferimos trabalhar em empresas com valores e responsabilidade no que faz. Não acha? Para seus funcionários esse sentimento não é diferente.

#5 Eficiência operacional

Todo sistema de gestão requer planejamento para ser eficaz. Esse planejamento será realizado com foco nos objetivos que desejam ser alcançados e traçando uma estratégia com os recursos disponíveis. 

Esse planejamento estratégico leva a uma maior eficiência operacional, pois há melhor entendimento das necessidades de cada processo e, consequentemente, uma alocação dos recursos humanos mais eficaz.

Outro fator que beneficia a eficiência operacional é a otimização de recursos técnicos, pois eles são direcionados para as atividades críticas de maneira preventiva. Essa visão leva a diminuição de falhas e origina a mentalidade de qualidade assegurada e melhoria contínua.

#6 Confiança das autoridades oficiais

As empresas certificadas tem uma vantagem extra, além de todas as descritas acima. Elas usufruem da confiança de autoridades oficiais, de agentes econômicos, de clientes e do consumidor em geral, em termos de segurança dos alimentos.

Por conta dessa confiança espontaneamente adquirida, o sistema de gestão pode ser utilizado como prova de defesa contra ações legais; ou justificar a redução no número de auditorias exigidas pelo cliente; ou até diminuir o grau de insatisfação do consumidor.

São muito os motivos que levam a um sistema de gestão em segurança de alimentos como a FSSC ISO 22000, a gerar lucros. Ou pela diminuição das perdas ou pelo aumento do ganho, como foi mostrado no presente post. Muitas empresas resistem a trabalhar na implementação de uma norma pois acreditam que o ônus do trabalho não compensará o bônus futuro.

Embora não há uma conta matemática para prever o lucro de um sistema de gestão certificado; é uma realidade que as organizações que assumiram o desafio e alcançaram a certificação continuam trabalhando para mantê-la. Isso só pode ser justificado se o bônus é maior que o ônus.  O que você pensa sobre isso? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Patricia Moyano

Formada em Microbiologia pela UNRC na Argentina, e apaixonada pela inocuidade dos alimentos. Diplomada em MBA de Negócios e Empreendedorismo pela UFJF-MG,
Especialista em Segurança de Alimentos e auditora líder FSSC 22000 pela SGS Academy. Possui mais de 8 anos de experiência na gestão da qualidade e segurança dos alimentos.
Patricia Moyano