Tempo de Leitura: 4 minutos

As mudanças da ISO 9001 ao longo do tempo

Como a ISO 9001 ao longo dos seus 34 anos se tornou a norma com o maior número de empresas certificadas no mundo?

Em seus 34 anos a ISO 9001 teve um papel fundamental no processo de normatização e padronização se tornando referência em gestão da qualidade e auxiliando empresas de todos os tamanhos e ramos de atividade.

E claro, durante esses 34 anos a ISO 9001 passou por várias mudanças, e por processos de melhoria contínua como a própria norma preconiza, vamos conhecer um pouco mais sobre a sua história.

O início da ISO 9001 – 1987

Em 1987 foi desenvolvida a normatização da ISO 9001, sua criação foi baseada na norma britânica BS5750 e tinha como principal objetivo se tornar a referência de padrão internacional para garantir a qualidade de produtos e serviços.

Conhecida na época como Sistema de Garantia da Qualidade com foco em ações preventivas, na primeira versão cada empresa definia seus próprios requisitos, elaborando uma grande quantidade de procedimentos e instruções de trabalho para suportar o Sistema da Garantia da Qualidade, devido ao excesso de documentos desenvolvidos fazia com que a norma se tornasse complexa e difícil de manter todos os seus controles.

A primeira revisão – 1994

Em 1994 foi realizada a primeira revisão da norma focado na Garantia da qualidade como base de certificação.

Com isso, mudanças foram realizadas para atender a garantia da qualidade, segue algumas abaixo:

  • Na versão de 1994, uma empresa prestadora de serviços referentes ao produto após a venda, mas que não tinha responsabilidades de projeto, era certificada pela ISO 9002;
  • A versão de 1994 exigia que fosse desenvolvido um manual da qualidade para incluir ou fazer referência aos procedimentos documentados que formam parte do Sistema de Gestão da Qualidade;
  • A norma passou a exigir a participação de representantes de todas as funções referentes à etapa de projeto que está sendo examinada. A validação do projeto precisava ser realizada para assegurar que o produto estava de acordo com as necessidades ou requisitos do usuário definido.
  • Os requisitos de controle de processos foram atualizados para incluir a manutenção do equipamento, de modo a assegurar a capacidade contínua do processo;

A segunda revisão – 2000

Trouxe grandes alterações na estrutura assim exigindo as empresas certificadas a se adequarem aos novos requisitos, uma das novidades foi a abordagem por processos que trouxe maior valorização para o mapeamento dos processos dentro das Organizações.

Com cada processo sendo entendido com suas entradas, suas transformações nas atividades chave e suas saídas com o resultado nas transformações.

Em comparação com a versão de 1994 a norma ficou mais objetiva e com o foco principal na satisfação do cliente, melhoria contínua e a conformidade do produto.

O entendimento e implementação se tornaram mais simples dando autonomia para as empresas excluírem documentos desnecessários e procedimentos que comprometiam a eficácia de seus processos, isso trouxe grandes oportunidades também desafios para as organizações, pois foi necessário analisarem e definirem o que de fato era importante manter documentado.

A terceira revisão – 2008

A preocupação com as partes interessadas (stakeholders) começou a ganhar importância dentro do Sistema de Gestão da Qualidade. Além dos clientes, considerando também os fornecedores, colaboradores, acionistas e outras partes interessadas, como por exemplo, agências reguladoras.

Também mudanças para ter uma interação melhor com a ISO 14001 – sistema de Gestão Ambiental.

A revisão atual – 2015

A revisão atual da norma houve mudanças relevantes no entendimento de alguns requisitos como a mudança de termos adotados no Sistema de Gestão da Qualidade, também a definição de uma nova estrutura para padronizar seus requisitos como de todas as normas ISO definindo a seguinte estrutura:

1 – Introdução

2 – Escopo

3 – Referência normativa

4 – Termos e definições

5 – Contexto da organização

6 – Liderança

7 – Planejamento

8 – Apoio

9 – Operação

10 – Avaliação de desempenho

11 – Melhoria

[Post] ISO 9001: O passo a passo para certificação ISO 9001

– A análise de riscos voltada ao Sistema de Gestão da Qualidade. Trazendo uma abordagem mais específica para a mentalidade de risco.

– A retenção da informação documentada, anteriormente ainda utilizado o “Manual da Qualidade” que relacionava todas as informações importantes para manter o Sistema de Gestão da Qualidade.

Com a inclusão do requisito Informação documentada não há mais a obrigatoriedade de desenvolver um manual da qualidade e sim se atentar aos pontos da norma que indica que a organização “deve reter informação documentada” e realizar a sistemática de controle dessas informações e nos pontos onde a norma cita apenas “informação” não há a obrigatoriedade de documentá-las, somente se a Organização definir ser aplicável.

Conhecimento Organizacional, para determinar e gerenciar o conhecimento necessário para a operação e os processos, sendo mantido e disponível na Organização, seja ele interno (propriedade intelectual, conhecimento obtido por experiência, resultados de melhoria em processos, produtos e serviços entre outros) ou seja ele externo (normas, conferências, provedores externos entre outros).

– Foco na necessidade e expectativa das partes interessadas, estabelecendo requisitos para atender as necessidades e expectativas de todas as partes interessadas: clientes, fornecedores, órgãos regulamentadores, colaboradores, acionistas entre outras partes interessadas relevantes para a Organização.

A ISO 9001 tem uma grande relevância e papel importante para a padronização de outras normas, a partir dela foram criadas outras normas de sistemas de gestão, como por exemplo ISO/IEC 27000 para a segurança da informação, a ISO 22000 para segurança de alimentos, entre outras. Ao longo dos anos e com suas mudanças ela se tornou uma das normas mais importantes do mundo.

E você? Ainda não está implementando a ISO 9001 na sua empresa? Então fale com um especialista agora mesmo!

Everton Hora da Silva

Everton Hora da Silva

Consultor na Templum Consultoria